17 de Dezembro de 2017

Chega ao Brasil a Lurasidona, nova opção de tratamento para esquizofrenia e transtorno bipolar.

Chega este mês no Brasil, aprovado pela ANVISA (Agência de Vigilância Sanitária), a lurasidona (Latuda), mais uma opção para o tratamento da esquizofrenia e da depressão bipolar.

 

Lurasidona (comercializado com o nome de fantasia Latuda, pelo laboratório Daiichi Sankyo Brasil) é uma molécula com propriedades antipsicóticas da classe dos atípicos ou de segunda geração, agindo como antagonista (bloqueadora) de receptores de dopamina D2 e D3 e de receptores de serotonina 5-HT2A e 5-HT7 e como agonista parcial (estimulante) de receptores serotoninérgicos 5-HT1A.

 

Ela é aprovada nos EUA desde 2010 para o tratamento da esquizofrenia e desde 2013 para o transtorno bipolar (episódios depressivos).

 

É um antipsicótico de segunda geração como menor risco de efeitos cardiovasculares, ganho de peso e aumento de colesterol.

 

Alguns estudos mostram que a lurasidona tem uma eficácia em sintomas cognitivos, melhorando funções como atenção, memória e função executiva.

 

Latuda será comercializada no Brasil em doses de 20mg, 40mg e 80mg.

 

Vejam o comunicado da ANVISA:

 

Por: Ascom/Anvisa

Publicado: 18/10/2017 15:27

Última Modificação: 18/10/2017 15:33

 

Um medicamento inédito para a esquizofrenia e depressão associadas ao transtorno bipolar recebeu registro da Anvisa. O novo produto é o Latuda (cloridrato de lurasidona), um antipsicótico que deve ser comercializado em comprimidos de 20mg, 40mg e 80mg, em embalagens de 7, 14, 30 ou 60 comprimidos.

 

O novo produto traz algumas melhorias para o paciente como a baixa alteração do perfil metabólico, o que significa menor ganho de peso e alterações limitadas no perfil de gorduras e glicose do organismo.

 

Como se trata de um antipsicótico, a lurasidona foi enquadrada na categoria de medicamentos controlados e sua venda será feita somente com receita especial em duas vias.

 

O medicamento já havia sido aprovado na Europa e nos EUA. O registro foi publicado no dia 16/10.

 

 

Fonte: Entendendo a Esquizofrenia