19 de Janeiro de 2018

Estudo da OMS confirma: maconha é segura e funciona no tratamento de tipos de câncer e Parkinson

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o canabidiol (CBD), substância utilizada para desenvolver a maconha medicinal, não deveria ser tratada como droga.

 

Com o debate sobre a legalização da maconha se espalhando pelo mundo ocidental, a OMS divulgou o resultado de meses de estudos e investigações sobre a planta, concluindo que o CBD é um remédio seguro para o tratamento de diversas doenças, como epilepsia, tipos de câncer, Alzheimer e Parkinson.

 

A organização deverá ampliar os estudos e realizar uma revisão total da cannabis e todas as 113 substâncias que a compõe em 2018. Enquanto isso, a indústria aguarda para saber se o órgão deixará ou não de classificar a maconha como droga.

 

Caso escolha mantê-la nessa categoria, a OMS deve incentivar o impedimento de tratamentos medicinais a prescreverem o CBD como um remédio para cuidados com doenças.

 

Publicado no dia 13 de dezembro, o relatório também recomenda a imposição de fortes restrições ao fentanil, fármaco do grupo dos opioides e um potente analgésico narcótico. A substância foi encontrada em diversos casos de morte por overdose ocorrido nos Estados Unidos nos últimos anos.

 

“Há um interesse crescente dos Estado-membros em utilizar a cannabis para tratamentos medicinais, incluindo cuidados paliativos”, diz um trecho do relatório.

 

“Respondendo a esse interesse, a OMS tem, nos últimos anos, reunido evidências científicas mais robustas do uso terapêutico e dos efeitos causados pela cannabis e seus componentes”, completa.

 

Como conclusão, os autores escrevem: “evidências recentes de estudos com animais e humanos mostrou que o uso dela pode ter um grande valor terapêutico para pacientes vítimas de epilepsia ou condições relacionadas“.

 

 

Fonte: Hypeness